sábado, 17 de abril de 2010

CARTA A UM POETA NO CÉU

 Jefferson Magno Costa   
     Em 1996, a comunidade evangélica brasileira perdeu o grande poeta, radialista, deputado federal (por dois mandatos) e pastor batista, Gióia Júnior. Estive presente no seu culto fúnebre, e três dias após o seu sepultamento, escrevi esta carta que foi publicada em algumas revistas e jornais evangélicos:

     Caro amigo Gióia Júnior:
     Agora que você não está mais entre nós, mas no céu, na região reservada ao descanso dos justos; agora que você usufrui da companhia de todos os grandes poetas de Deus,e com eles espera o grande dia da ressurreição final, só me resta escrever, apressadamente, algumas palavras em homenagem póstuma ao poeta que você foi.
    Apressadamente, sim, pois sei que em breve também raiará para mim a aurora do Dia Eterno. Aliás, fugaz e velozmente a vida passa para todos nós. Os que acham que terão muito tempo para chorar os seus mortos, brevemente serão chorados também. Muitos partem com os olhos ainda umedecidos das lágrimas que derramavam por alguém que havia partido pouco antes deles.
     Nós já vamos pelo vale um a um, entoaram aqueles dez cantores reunidos em torno do seu caixão, e sei que você, Gióia, com a imensa sensibilidade de que era dotado, muito se emocionaria se os tivesse ouvido, como eu os ouvi e me emocionei.
     Mas os seus ouvidos, agora para sempre surdos diante da dimensão de todos os sons terrestres, não mais puderam ouvi-los; nem o seu coração, para sempre paralisado diante de todas as emoções humanas, não mais estremeceu, emocionado.
     Você passou, eu passarei, todos nós passaremos, mas a sua poesia ficará. Enquanto o coração de um pai ou de uma mãe bater apreensivo, tarde da noite, diante da demora de um filho ou de uma filha que ainda não voltou para casa, sempre haverá a esperança de que, a qualquer momento, a maçaneta da porta iniciará sua festiva canção do retorno. E todos os pais concordam e continuarão repetindo que:


Não há mais bela música
que o ruído da maçaneta da porta,
quando o meu filho volta para casa.


Volta da rua, da vasta noite,
da madrugada de estranhas vozes,
e o ruído da maçaneta,
e o gemer do trinco,
o bater da porta que novamente se fecha,
o tilintar inconfundível do molho de chaves
são um doce acalanto,
uma suave cantiga de ninar.
Só assim fecho os olhos;
Posso, afinal, dormir e descansar.
(Oração da maçaneta, trecho do poema)


     Enquanto houver mulheres preparando a comida para o marido e os filhos, e envelhecendo na frente de fogões, sua poesia será lembrada. E quantas mães já não leram esse trecho do seu poema, achando que você o escreveu inspirado nelas?


Na frente do fogão, enquanto os filhos crescem,
vão sendo modelados pela vida e pelo tempo,
chegam e a beijam na testa,
e ela na frente do fogão,
chegam e dizem um “olá” distante,
e ela na frente do fogão,
chegam e não dizem nada,
e ela na frente do fogão,
porque a chama abraça o fundo da panela
para que o jantar fique pronto,
para que eles matem a fome
e cresçam mais e se afastem dela cada vez mais.
(Mulher na frente do fogão, trecho do poema)


     Sua poesia só será esquecida quando Jesus deixar de ser a alegria dos homens. Mas nós sabemos que:

Nesta hora de incerteza,
de cansaço e de agonia;
nesta hora em que, de novo,
a guerra se prenuncia;
neste momento em que o povo
não tem rumo nem tem guia,
ó Jesus, agora e sempre,
Tu és a nossa alegria!
(Jesus, alegria dos homens, trecho do poema)


     Quando todos os meninos pobres do mundo receberem o pão que os homens lhe roubaram, sua poesia será esquecida. Porém, no exato momento em que esta carta está sendo escrita, há um menino pobre (aliás, há milhões de meninos pobres) necessitando
ouvir suas palavras de solidariedade e incentivo, Gióia:

Menino pobre do meu bairro, grita
para que escutem tua voz tremente,
amargurada, enfraquecida e aflita.


Pelos irmãos que dantes não gritaram,
clama nas ruas angustiosamente:
exige o pão que os homens te roubaram!
(Menino pobre, trecho do soneto)

     O poeta grego Homero cantou na Ilíada a guerra entre gregos e troianos e a interferência dos falidos e extintos deuses do Olimpo. O italiano Dante Alighiere desceu ao Inferno nas asas da imaginação e, de lá, essas suas asas o levaram ao Paraíso; mas tudo não passou de uma Divina Comédia. O poeta português Luis Vaz de Camões cantou em Os Lusíadas as grandes rotas de navegação que interferiram no tracejamento do mapa do mundo moderno, e o poeta inglês John Milton, após mergulhar na cegueira absoluta, ditou para suas filhas o poema O Paraíso Perdido, e nele viu a tremenda rebelião de Satanás. E você, Gióia, preferiu cantar em seus poemas a vida e a situação das pessoas humildes, dos pobres, dos injustiçados que se amontoam na condição de desbrigados, famintos, doentes e esquecidos, abandonados ao pé da pirâmide social.
     Agora que você está aí tão perto do coração de Deus; agora que você tornou-se um habitante da santa e felicíssima Jerusalém celestial, onde a juventude nunca envelhece, o amor nuca diminui, o contentamento não se interrompe nem a vida jamais se acaba; agora sabemos, Gióia, que você não mais contempla o rosto ensangüentado de Cristo, aquele Rosto sofredor, de olhar parado e enxuto, que você descreveu com tanta sensibilidade no seu poema Ó Rosto ensanguentado! (Leia todos esses maravilhosos poemas e muitos outros no livro Orações do Cotidiano, publicado pela Mundo Cristão).
     E a própria morte, que para muitos é motivo de apreensão e medo, você não a temia. E até nos ensinou a não temê-la! Sim, porque para nós, que conhecemos a Cristo, morrer é finalmente alcançar a altíssima paz; é ser recebido por um cortejo de anjos; é ser saudado pelos clarins celestiais; é receber vestes resplandecentes, harpas e coroas de ouro; é nos tornarmos mais altos e mais belos que as estrelas, e passarmos a encher os espaços infinitos com melodias de gratidão e adoração a Deus.

     E, para que todos nós aprendamos a não temer a morte, transcreverei aqui, caro poeta, este seu poema sobre a morte – última porta que se abrirá para nós, antes de embarcarmos e subirmos velozmente conduzidos pelo elevador de fogo de Deus, que nos transportará para a cobertura do Céu, com vistas para o infinito (devo esta belíssima metáfora ao meu amigo e irmão em Cristo Nelson Ned, a quem tive a honra de biografar):

Vem, doce morte, eu sei que não és o mistério
do sem fim, o pavor do escuro cemitério,
não és o vulto mau, a sombra horrenda e esguia
do cutelo fatal e da mão muito fria,
cujo afago cruel, implacável, glacial,
arrebata mães e rouba crianças...

E como és diferente!
És um sussurro manso,
um cântico de paz, um hino de descanso.
És o dia esperado em que os filhos da luz
poderão ver, afinal, o rosto de Jesus.
Leva-me pela mão, ó delicada irmã,
ao jardim multicor da Nova Canaã.
Irei como um menino, alegre, num transporte...
Minh’alma te deseja e diz:
“Vem, doce morte!”.

     Gióia, eu não poderia concluir esta carta sem antes citar, integralmente, o seu belíssimo poema, Fica, Senhor, comigo:


Fica, Senhor, comigo; a noite é vasta e fria.
Segura a minha mão, até que chegue o dia.
Em Tua companhia é claro o meu caminho
e eu não quero ficar para sempre sozinho.
Não fosse o Teu cuidado, e eu, por certo, estaria
abatido e infeliz, numa senda de espinho.

Fica, Senhor, comigo; o coração da gente
é fraco e pequenino e bate fortemente
ao ruído menor dos prenúncios fatais,
de procelas cruéis e rudes temporais...
Dá que eu possa sentir, Senhor, eternamente,
amparando meu ser, Teus braços paternais.

Fica, Senhor, comigo; a mocidade passa
como a leve espiral escura de fumaça
e a solidão do velho é triste e sem alento
e plena de incerteza e mau pressentimento.
A Teu lado eu terei consolo na desgraça,
conforto na miséria e paz no sofrimento.

Fica, Senhor, comigo; os meus olhos sem luz
querem também Te ver na Estrada de Emaús
da minha vida, pois só Tu és meu abrigo,
meu amigo melhor, meu verdadeiro amigo.
Por isso é que Te peço, ó bendito Jesus,
eu não quero estar só. Fica, Senhor, comigo!
Até breve, poeta!
Jefferson Magno Costa

2 comentários:

  1. Pastor Jefferson
    Emocionei-me deveras ao ver o nome de Gióia Junior aqui resgatado. Admirava-me sobremaneira a postura de um homem das leis e das letras. Poeta incondicional era-me e continua sendo um dos favoritos. Por algumas apresentações em programas de TV, sua voz melodiosa a entoar seus poemas, gravaram em meu coração a lembrança de um poeta que soube tão bem retratar as emoções tão comuns a todos nós: filhos, esposas, o repartir do pão. Sim caro poeta: " O amor constrói, sustenta,encoraja, encaminha, ensina, instrui e exorta". Belíssimo resgate. Inajá Martins de Almeida

    ResponderExcluir
  2. Inajá, Gióa foi um grande amigo. Menos de um ano antes do seu falecimento, eu o havia levado para recitar seus belíssimos poemas em grandes igrejas de pastores amigos meus, em São Paulo, onde morei durante 12 anos e trabalhei como editor da Editora Vida e Mundo Cristão.
    Inclusive, devido à nossa afinação de ideias em literatura, ele estava planejando parar suas aulas no seminário teológico em Perdizes, São Paulo, e queria que eu o substituísse. A Editora Mundo Cristão havia publicado uma grande antologia reunindo todo os seus belíssimos e mais conhecidos poemas. Mas de repente ele partiu para encontrar-se com Jesus. Ficou só a saudade no coração de todos nós, e eu aproveitei para fazer-lhe, em 1996 mesmo, essa pequena homenagem.

    ResponderExcluir

(Clique na imagem)

(Clique na imagem)

Visitantes recentes

Top 10 Members

.

.