sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

PASTOR: SÓ QUEM APASCENTA E DEFENDE AS OVELHAS É PASTOR; QUEM SÓ APASCENTA E NÃO AS DEFENDE NÃO É PASTOR


Jefferson Magno Costa
     Quem tem a obrigação de apascentar as ovelhas? O pastor. E quem tem a obrigação de defender essas mesmas ovelhas? Também o pastor.
     Logo, o mesmo pastor que tem o cuidado de as apascentar, terá que ter também a responsabilidade de as defender.
     Esse é o legítimo ofício do pastor: Tocar levemente a ovelha com o cajado para a encaminhar, e brandir fortemente o cajado contra o lobo para o fazer fugir.
     Mas há quem ache que a primeira função, a de apascentar, deveria ser de alguns pastores, e a segunda função, a de defender, deveria ser de outros pastores. Isso até parece opinião ou conselho de lobo!
     Quando Davi andava no campo apascentando as ovelhas de seu pai, e vinha o urso ou o leão para as devorar, o que ele fazia? Será que ia a Jerusalém buscar um ministro do rei Saul para as defender? Se Davi agisse assim, não seria digno de ser chamado pastor.
     Era ele quem as apascentava, e era ele quem as defendia. E as defendia de tal maneira que as arrancava das garras e da boca das próprias feras.
     Porque se o lobo ou o leão tinha engolido o cordeiro pela cabeça, ele arrancava-o da garganta da fera puxando-o pelas patas; se o engolira pelas patas, ele arrancava-o puxando pelas orelhas. Isso é o que descreve o profeta Amós, que também se exercitara no ofício de pastor:
     “Assim diz o Senhor: Como o pastor livra da boca do leão as duas pernas, ou um pedacinho da orelha, assim serão livrados os filhos de Israel, que habitam em Samaria, no canto da liteira, e na barra do leito” (Am 3.12).
     Portanto, está muito enganado quem pensa que a obrigação do pastor é só apascentar, conforme parece significar a raiz etimológica do nome pastor.
     Só quem apascenta e defende as ovelhas é digno de ser chamado pastor; e quem não defende, ainda que apascente, não é digno de ser assim chamado.
     Quando Jesus comparou o pastor com o mercenário, fez as seguintes observações: “Eu sou o bom pastor; o bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas. Mas o mercenário, que não é pastor, de quem não são as ovelhas, vê vir o lobo, e deixa as ovelhas, e foge; e o lobo as arrebata e dispersa” (Jo 10.11,12. ARA).
      O grande detalhe que deve ser observado aqui é o fato de Jesus dizer que o mercenário não é pastor. Mercenário era aquela pessoa que, por um salário previamente combinado, apascentava as ovelhas.
      Ora, se o mercenário também apascentava as ovelhas, por que será que Jesus diz que ele não é pastor? Porque, mesmo que apascente, ele não as defende. Ao ver o lobo se aproximando, foge.
     Está tão profundamente entranhado no ofício de pastor a obrigação de defender as ovelhas, que se ele as defende, é pastor; se não as defende, não é pastor.
     Como Cristo, em João 10.11,12, começa falando sobre Ele mesmo, que é o bom pastor, o correto seria esperar que Ele fizesse a comparação entre o bom pastor e o mau pastor, e dissesse que o bom pastor é aquele que defende as ovelhas, e o mau pastor é aquele que não as defende.
     Mas o Senhor Jesus não fez a comparação entre ser bom ou ser mau, e sim entre ser ou não ser. Diz que o que defende as ovelhas é bom pastor, e não diz que o que não as defende é mau pastor. Por quê?
         Porque o que não defende as ovelhas não é pastor bom nem mau. Simplesmente não é pastor.
     Não podemos dizer que um lobo é bom homem ou mau homem, porque não é homem. Da mesma maneira, não podemos dizer que aquele que não defende as ovelhas é bom ou mau pastor, porque não é pastor. Se não é pastor, o que será então?
     (A. V. Trecho do Serm. Da Epif. Cap. Re. 1662)
     Jefferson Magno Costa

2 comentários:

  1. Pastor Jefferson. Maravilho-me quando Jesus interroga Pedro e lhe outorga uma tarefa: o pastoreio e o cuidado para com as Suas ovelhas no Livro de João 21 capítulo 21 e seus versículos. Agora este texto, o carinho zeloso com que o irmão trata a todos quantos se aproximam neste espaço. Este rico ministério que Jesus lhe outorga: "cuida dos meus cordeiros", há que prosperar e ganhar cada vez mais ovelhas.

    ResponderExcluir
  2. Minha prezada irmã Inajá, pode ter certeza de que um dos mais ricos (talvez o mais rico) retorno que tenho obtido com as matérias que publico no blog Sublime Leitura tem sido conhecer e dialogar com os leitores que gentilmente postam comentários a algumas dessas matérias. Não há como calcular o valor de conhecer pessoas íntegras, crentes sinceros, leitores sensíveis, cultos e verdadeiramente apaixonados por Jesus como a irmã e outros leitores desse blog.

    ResponderExcluir

(Clique na imagem)

(Clique na imagem)

Visitantes recentes

Top 10 Members

.

.