domingo, 14 de novembro de 2010

CIENTISTAS NORTE-AMERICANOS TENTAM RESPONDER AS PERGUNTAS QUE DEUS FEZ A JÓ

Jefferson Magno Costa
    
 O velho patriarca Jó, que viveu em uma época próxima ao período em que Abraão peregrinou sobre a face da Terra, teve a sua história contada em um dos mais antigos livros da Bíblia, e foi um excelente aluno de Deus.
     Ele já era considerado o maior dentre todos os homens do Oriente (Jó 1.3), quando, em meio a mais dura prova de toda a sua vida, confessou aos seus amigos que até aquela data fora aluno do Senhor, mas assim mesmo não teria condições de responder a sequer uma de suas perguntas, caso o Mestre o submetesse a um interrogatório, “porque, como pode o homem ser justo para com Deus? Se quiser contender com ele, nem a uma de mil coisas lhe poderá responder” (Jó 9.2,3).
     Porém, no decorrer do diálogo com os seus amigos Elifaz, Bildade e Zofar, Jó irritou-se com eles a ponto de esquecer sua posição de simples aluno de Deus, e formulou uma espécie de desafio:
     “Ainda hoje a minha queixa é de um revoltado, apesar de a minha mão reprimir o meu gemido. Ah se eu soubesse onde o poderia achar! Exporia ante ele a minha causa, encheria a minha boca de argumentos. Saberia as palavras que me respondesse, e entenderia o que me dissesse” (Jó 23.2-5).
E para surpresa do patriarca, Deus aceitou o desafio, e simplesmente o bombardeou com um questionário de 40 perguntas científicas, e o velho patriarca não teve resposta para nenhuma delas!
     O doutor Harry Rimmer conta no seu livro A Ciência Moderna e as Sagradas Escrituras, que certa vez participou de um jantar em companhia de 15 cientistas norte-americanos. De repente o assunto caiu nos conhecimentos científicos registrados na Bíblia, e um daqueles cientistas teceu um breve comentário sobre a superioridade do conhecimento científico dos tempos modernos com relação ao conhecimento científico dos tempos em que a Bíblia havia sido escrita.
Rimmer não concordou com o comentário e desafiou aqueles homens de ciência a se submeterem ao mesmo interrogatório dos capítulos 38 e 39 de Jó – o mesmo questionário com que Deus sossegara os ânimos exaltados do velho patriarca.
     Seriam estabelecidos 10 pontos para cada uma das 40 perguntas a serem feitas, e quem conseguisse responder todas elas marcaria 400 pontos.
     Mandaram buscar uma Bíblia, e no final do teste, cujas perguntas tinham sido elaboradas há quase quatro mil anos, o mais sábio de todos aqueles homens só conseguira marcar 35 pontos, ou seja: respondera apenas a três perguntas e à metade de outra!
     Rimmer observou que o tão propalado e maravilhoso “avanço da ciência” dos tempos atuais, superando em muito a ciência dos tempos de Jó, só capacitara aqueles orgulhosos cientistas a responderem a três perguntas e meia, entre as 40 que Deus fizera a Jó.
     Isso era o suficiente para fazer qualquer cientista curvar a cabeça em reconhecimento à superioridade da Bíblia.


DEUS FAZ PROVA ORAL COM O SEU ALUNO
     A primeira pergunta que Deus fez a Jó não pôde ser respondida por ele, e nenhum ser humano a poderá responder: “Onde estavas tu, quando eu lançava os fundamentos da terra? Dize-mo, se tens entendimento” (Jó 38.4).
     É o tipo de pergunta que só Deus conhece a resposta. Porém, dos tempos de Jó aos nossos dias, tateando na obscuridade do problema, a humanidade tem-se dividido em três grupos:
     a) Muitos acham que, antes da formação do corpo, a alma já existia no espaço, e inclusive já havia cometido pecados, nesse estado de preexistência;
     b) Outros acreditam que Deus cria a alma no momento em que a semente do homem fecunda a semente da mulher (o chamado momento da concepção ou fecundação), ou no período em que o novo ser está se desenvolvendo no ventre de sua mãe, não havendo, portanto, um momento específico: a alma poderia ser criada em qualquer instante do período da gestação;
     c) Por último, há o grupo das pessoas que acreditam que Deus só criou duas almas: a de Adão e a de Eva. A partir das duas almas do primeiro casal, as outras almas foram sendo criadas, ou seja: assim como as sementes do homem e da mulher se unem para formar o corpo do filho, as almas dos pais também se unem para gerar a alma da criança.
     A primeira dessas teorias chama-se pré-existencialista, a segunda criacionista, e a terceira traducionista.
     Ora, mesmo se conhecesse estas três teorias sobre a criação da alma, nem Jó nem a humanidade hoje poderiam dizer, com total convicção e solidez de argumentos, onde qualquer um de nós estava quando Deus lançava os fundamentos da Terra. E muito menos poderíamos responder à segunda metade da pergunta:
      “Quem lhe pôs as medidas, se é que o sabes? Ou quem estendeu sobre ela o cordel?”
     O que nos assombra em todo esse interrogatório é sabermos que nem no tempo de Jó, nem quatro mil anos depois, o homem teria condições de sequer formular estas perguntas, e muito menos respondê-las. Só o Espírito de Deus poderia formulá-las e apresentar as respostas.
     Pois se não foi o próprio Deus, se não foi o verdadeiro Autor da Bíblia a pessoa que fez todas estas perguntas a Jó, onde esse fazendeiro, esse simples criador de gado teria ido buscar tanta ciência para fazer perguntas tão profundas que até hoje, apesar do extraordinário avanço da ciência, não se encontrou respostas para sequer a metade delas?
     O fato é que o autor do livro de Jó escreveu estas perguntas inspirado pelo Espírito de Deus, e deixou bem claro que o velho patriarca não pôde responder sequer a uma delas. Estamos aqui diante de mais uma inegável e maravilhosa prova de que a Bíblia é a Palavra de Deus.
 A PROVA ORAL CONTINUA
     Pobre Jó! Onde iria ele buscar respostas para as perguntas contidas nos versículos seis e sete do capítulo 38 do seu livro?
     “Sobre que estão fundadas as suas bases (da Terra), ou quem lhe assentou a pedra angular, quando as estrelas da alva juntas alegremente cantavam, e rejubilavam todos os filhos de Deus?”
     Durante muito tempo pensou-se que Jó havia usado sua imaginação poética no versículo sete, capítulo 38, pois as estrelas não cantam. Porém, o assombroso é que a física moderna descobriu que a luz tem um valor tonal.
     Após uma série de sofisticadas experiências, os cientistas descobriram que todo raio de luz (tanto do sol como das estrelas) produz, ao cortar o espaço, notas musicais!
     Nós não podemos ouvir essa música, porque os nossos ouvidos não foram adaptados para ela, mas aparelhos ultra-sensíveis foram criados e captam essa melodia do espaço sideral. Jó estava certo. As estrelas da manhã cantavam alegremente quando Deus estava criando o Universo, pois a luz, ao se deslocar no espaço, produz um som característico.
     Em que Universidade Jó teria aprendido isto? Na Universidade da comunhão com o Espírito de Deus!


"QUEM MANTEM O MAR NOS SEUS LIMITES?"
Após interrogar Jó sobre os mistérios do Céu, Deus volta-se para o mar e pergunta ao patriarca:
     “...Quem encerrou o mar com portas, quando irrompeu da madre, quando eu lhe pus as nuvens por vestidura, e a escuridão por fraldas?” (Jó 38.8,9). Poucos versículos na Bíblia são tão ricos em lirismo como estes.
     Rimmer comenta que neles “o todo-poderoso é descrito como um parteiro que assiste ao nascimento do mar. Na descrição pictórica desse parágrafo imagina-se Deus assentado, tomando sobre os joelhos o oceano recém-nascido. Com uma de suas mãos, apanha as densas trevas como se fosse para fazer uma faixa de flanela (uma fralda) a fim de firmar o bebê, e com a outra agarra as nuvens e tece-as em uma camisa de dormir para cobrir o pequenino corpo.”
     Vemos que Jó criou aqui uma das mais ricas metáforas da Bíblia. Ainda que algumas vezes esse “bebê” tem colocado as pontinhas dos dedos além dos limites que Deus estabeleceu para ele, o que aconteceria se essa força misteriosa que o prende ao seu lugar não existisse, e ele avançasse para além dos limites de todas as praias, e nada pudesse deter o rolar de suas imensas e orgulhosas ondas? Seria a destruição da Terra.
     Muitos falam da influência que o sol, a lua e as estrelas exercem sobre esse imenso “bebê” de Deus. Porém, os próprios cientistas reconhecem que a força da gravidade, atuando sobre as correntes marinhas, não é explicação suficiente para o porquê de o mar não avançar e destruir toda a porção de terra seca que existe no mundo.
     A única explicação para esse mistério é: o mar está sob o controle de Deus! É Ele que afirma a Jó, explicando esse fenômeno: “...eu lhe tracei limites e lhes pus ferrolhos e portas, e disse: Até aqui virás, e não mais adiante, e aqui se quebrará o orgulho de tuas ondas” (vv 10,11).


“PODES TU DAR ORDENS À MADRUGADA?"

 Depois de tudo que havia acontecido na vida de Jó – a perda de seus filhos, de sua mulher e de seus bens – quantas e quantas noites o velho patriarca, com o corpo coberto de chagas e assentado sobre cinzas, desejou ver a madrugada encurtar-se, e a luz da manhã afastar as trevas da noite, iniciando para ele um novo dia!
     E quantos de nós, atravessando noites em claro, cheios de dor ou de preocupação, não daríamos tudo para ver o dia surgir mais cedo, antecipando-se ao "relógio" de Deus? Mas alguma vez já pudemos dar ordens ao dia? Foi esta a pergunta que Deus fez a Jó: “Por acaso, desde que começaram os teus dias, deste ordem à madrugada, ou fizeste a alva saber o seu lugar...?” (v. 12). Nunca!


“DE QUE VENTRE PROCEDE O GELO?”
Só o Espírito de Deus poderia formular tantas perguntas, para cujas respostas faz-se necessário um conhecimento científico que até hoje o ser humano não tem. É o caso de se saber por que, nos lugares frios, a superfície das águas fica coberta por uma camada de gelo que flutua e não afunda.
     A pergunta está formulada no versículo 29 do capítulo 38 do livro de Jó, e a descrição dessa maravilha encontra-se no versículo seguinte:
     “De que ventre procede o gelo?” “Como debaixo de pedra as águas se escondem; e a superfície do abismo se coalha.”
     Se as águas da superfície dos mares, rios e lagos congelassem, e a camada de gelo afundasse, em pouco tempo, todas as grandes fontes de água da Terra se congelariam totalmente, matando todas as espécies de vida aquática, e mergulhando a Terra em um período de inverno glacial a que nenhum ser vivo resistiria.
     Porém, o que acontece é exatamente o contrário: enquanto a água congela em cima, as espécies aquáticas continuam a viver tranquilamente nas águas em baixo da imensa camada de gelo. Todo cientista sabe que neste fenômeno existe a violação de uma lei da natureza, pois o natural é que o frio contraia os corpos, e no caso do gelo, o lógico seria ele afundar. Mas a lógica dos homens é diferente da lógica de Deus. O gelo não afunda!


NÃO PODEMOS DAR ORDEM ÀS ESTAÇÕES
No versículo 31, Deus pergunta a Jó: “Ou poderás tu atar as cadeias do sete-estrelo, ou soltar os laços do Órion?” Sete-estrelo ou Plêiades é uma constelação, e da mesma forma Órion, também conhecida como Cabeça-de-cavalo.
     Na Mesopotâmia, a região onde Jó viveu, quando as Plêiades (um conjunto de sete estrelas, daí o nome: Sete-estrelo) brilham no céu, sabe-se que a Primavera chegou, ou seja: Não há ninguém que possa impedir que as árvores se cubram de flores, os pássaros, em revoada, encham o espaço de cânticos, os pastos reverdeçam, e as crias dos animais saltem alegremente.
     Da mesma forma, quando Órion é visto no céu da Mesopotâmia, ou seja: quando os laços do grande cavalo da constelação de Órion são desatados, ninguém pode deter o avanço do Inverno.
 A Bíblia é a Palavra de Deus. Nenhum livro reúne os mistérios que ela contém.
Jefferson Magno Costa

6 comentários:

  1. Shalom!

    Este blog é leitura obrigatória. Aqui encontramos erudição e simplicidade. Bíblia e poesia. Amado Pr Jefferson, que o El Deót lhe inspire para escreveres outras pérolas como esta, pois sabemos que Ele te concedeu uma destra pena. Prossiga. A estrada é longa. Palmilhe-a com destreza. Nossa tribuna não tem limites. Nossa voz não pode ser calada. Avante, pois.

    Abraços do seu conservo, Pr Marcello Oliveira

    "A maioria das pessoas preocupa-se com passagens da Bíblia que não entende, mas as que me preocupam são as que eu entendo". Mark Twain

    P.s>>> Por gentileza, troque meu banner pelo endereço novo. Agora é: www.davarelohim.com.br

    ResponderExcluir
  2. Prezado pastor e amigo Marcelo Oliveira, obrigado por suas palavras incentivadoras e gentis. Sinto-me um blogueiro privilegiado por ter leitores perspicazes e eruditos como o irmão. Seu blog, A Supremacia das Escrituras, é uma referência entre os milhares existentes na blogosfera. Percebe-se que o irmão não tem tempo para achincalhamento de outros irmãos, politicagem, polêmicas fúteis, comadragens e fofocas gospel. Todo o seu tempo, talento e conhecimentos são empregados no enaltecimento da Supremacia das Escrituras, e enaltecer as Escrituras não é outra coisa senão enaltecer a soberania de Jesus. Parabéns pelo blog, e parabésn por ser o mais recente e o mais jovem membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil.

    ResponderExcluir
  3. Shalom;

    Magnificientíssimo!!!

    Jacob Pereira

    ResponderExcluir
  4. Sim, prezado irmão Jacob, o nosso Deus é magnificientíssimo e tremendo.

    ResponderExcluir
  5. A minha alma se alimenta com tamanha fonte de riqueza, conhecimento e inspiração, Deus sempre será a maior fonte de inteligencia e ispiração, e que ele continue sempre sendo esta fonte em sua vida Pastor Jefferson.
    Alvanir Bohn

    ResponderExcluir

Marcelo disse...

A Paz de CRISTO,

Pr Jefferson,desculpe-me usar esse sublime espaço para perguntas,mas:

O LIVRO QUE APARECE NO SEU BLOG SOBRE UM MÉDICO QUE RELATA À CRUCIFICAÇÃO DE CRISTO É POSTADO PELO IRMÃO OU...É BOMMM?!

31 de janeiro de 2011 21:25

Jefferson Magno Costa disse...

Não, não é bom, prezado irmão e amigo Marcelo Pires: é fantástico, é excelente, é único no mundo em seu gênero. É iniqualavelmente esclarecedor, e capaz de levar um rochedo às lágrimas. Recomendo-o a toda e qualquer pessoa que tenha algum interesse por Jesus Cristo.

1 de fevereiro de 2011 11:01