sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

CEGUEIRA: UM CEGO GUIANDO OUTRO CEGO, QUAL DOS DOIS É O MAIS CEGO?

Jefferson Magno Costa

       Em João 15.14, ao criticar os escribas e fariseus, Jesus comentou que a atitude deles era semelhante a de um cego guiando outro cego. O guiado era cego, e o guia também.
      Então, qual desses dois cegos era mais cego: o que guiava ou o guiado? Muito mais cego era o guia. Eu explico o porquê. 
     O cego que se deixava guiar reconhecia que era cego, enquanto o que se tornara guia do outro estava tão longe de reconhecer sua cegueira, que achava que podia emprestar seus olhos cegos ao cego que ele guiava.
      O primeiro era cego uma só vez; o segundo, duas vezes. Uma vez porque o era, e outra vez porque não o reconhecia.
      O cego que reconhece sua cegueira não é totalmente cego, porque pelo menos vê (ou reconhece) o que lhe falta: a visão.
     O ponto mais extremo da cegueira é padecê-la e não a reconhecer. Tal era o estado daquele cego que guiava o outro cego. Ele perdera o sentido da cegueira. Quantos líderes vemos hoje em nosso meio nesse estado?
      Quando a natureza tira de uma pessoa o sentido da visão, dá a ela o sentido (ou a consciência) da cegueira, para que o cego reconheça que é cego e busque a ajuda dos olhos alheios.
      Porém, os escribas e fariseus estavam tão completamente cegos, que não só tinham perdido o sentido da visão, mas também o sentido da cegueira: o da visão, porque não viam, e o da cegueira, porque não a viam em si mesmos.
     Que Deus tenha misericórdia de rebanhos que estão sendo quiados por líderes assim.

Jefferson Magno Costa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

(Clique na imagem)

(Clique na imagem)

Visitantes recentes

Top 10 Members

.

.