quarta-feira, 19 de outubro de 2011

LUAR DE SANGUE NO CÉU DE FRANKFURT

Jefferson Magno Costa
          Durante os dias 12 a 16 de outubro (2011) estive em Frankfurt, a belíssima e supercultural cidade alemã, participando, com a diretora executiva e a gerente de relações internacionais da Central Gospel, Elba Alencar e Rachel Malafaia, respectivamente, da maior feira de livros do mundo. 
     Além das dezenas de contratos de grandes obras que fechamos com as editoras internacionais, livros evangélicos que serão traduzidos e lançados pela Central Gospel, e que enriquecerão o povo evangélico brasileiro, eu trouxe em minha bagagem um pequeno poema em homenagem aos seis milhões de "bichinhos de Jacó" (Isaías 41.14, ARA), que de 1940 a 1945 foram deportados da Alemanha e dos outros países ocupados pelas tropas nazistas sob o comando de Adolf Hitler, para os campos de extermínio de Auschwitz-Birkenau, um grupo de campos de concentração localizados no sul da Polônia, símbolos do Holocausto executado pelo nazismo. 
     Houve três campos principais e trinta e nove campos auxiliares.
LUAR DE SANGUE NO CÉU DE FRANKFURT
    
Ó lua indiferente e solitária
no céu de Frankfurt!

No silêncio desta noite gelada
posso ver em teu rosto pálido
o pálido brilho dos rostos
que te contemplaram pela última vez
em uma noite como esta.
Posso ouvir o silvo dos trens
sobre os trilhos rasgando a noite
com sua carga de corações rasgados.
Posso ouvir o choro da criança pedindo
a água que sua mãe não tem,
e ver os olhares de desespero
cujo brilho será apagado
nos campos de extermínio.
Meu olhar sereno sabe
que tu és a mesma serena lua
que foi contemplada pelos olhares
de pranto e adeus daqueles que,
através das frestas dos
vagões dos trens,
viram pela última vez
tua imagem que as lágrimas distorciam.
Em uma noite perdida
no tempo imemorial da Palestina
tu também estiveste no 
sonho do menino José,
e em uma noite como esta
testemunhaste a última noite de agonia
dos outros filhos de Jacó,
quando eles, incinerados,
dispersaram-se como fumaça
na vastidão do céu onde reinavas,
ó lua que brilhas agora
indiferente e solitária 
diante dos meus olhos
no céu ensanguentado de Frankfurt!

Jefferson Magno Costa
(Frankfurt am Main, 
madrugada de 17.10.2011)

6 comentários:

  1. Caro Pastor e editor Jefferson

    Bom ocupar este espaço.
    Bom saber tantas atividades atinentes a livros, leituras, leitores.
    Bom poder aqui participar com breves palavras.
    Belíssimo poema. Enriquecedoras palavras.
    O universo evangélico agradece.
    Faça-me uma visita. http://momentodeler.blogspot.com/
    Há também um momento para se ler.

    ResponderExcluir
  2. Caro editor e amigo Jefferson

    Não me contive.
    Li outras vezes o belíssimo texto.
    Apossei-me das palavras e as coloquei em meu blog http://momentodeler.blogspot.com/
    Obrigada pela graça de palavras edificadoras.
    Desta leitora assídua / Inajá

    ResponderExcluir
  3. A Paz do Senhor Pr. Jeferson!

    Devo confessar que vi em seus versos bem colocados pensamentos, inspirados pelo Criador, a expressão daqueles "Filhos de Jacó" que foram conduzidos e trucidados em cruéis campos de extermínio. Certamente que seus sacrifícios não cairão no esquecimento da história e menos ainda nos registros Divinos, pois em tempo oportuno serão abençoados com a Paz tão almejada por toda a humanidade.

    Que Deus continue a abençoá-lo naquilo que tem proposto em seu coração em fazer.

    Abraços do irmão em Cristo....

    Pr. João Q. Cavalheiro
    www.aramasi.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Sim, prezado pastor e amigo J. Cavalheiro. Ainda haverá um desdobramento imenso no cenário histórico mundial envolvendo os filhos de Jacó. A humanidade tstemunhará isto.
    Pr Jefferson

    ResponderExcluir
  5. Sim, prezada Inajá. Há um momento especial para a leitura, principalmente quando ela é orientada por pessoas cultas e de gosto refinado como o da irmã. Parabéns pelos artigos publicados no seu edificante blog Momentos de Ler.
    Pr Jefferson

    ResponderExcluir
  6. Inajá, muito obrigado por suas palavras de reconhecimento de algum mérito em nosso poema, e por mais uma vez divulgar uma postagem deste blog.
    Pr Jefferson

    ResponderExcluir

(Clique na imagem)

(Clique na imagem)

Visitantes recentes

Top 10 Members

.

.