domingo, 22 de janeiro de 2012

"AO MESTRE JOANYR DE OLIVEIRA, COM SAUDADE E CARINHO"

 
 
Jan 22, 2012 07:05 AM
 
Meu caro poeta pastor escritor editor pregador Jefferson Magno Costa (também sem vírgulas. Não são fragmentos. São unidade).

Pena que nem todos - embora possam ter lá os seus rasgos poéticos - consigam valorizar a poesia como uma arte em que, mais do que na prosa, se pode descer a profundidades, que, sem nunca chegar ao mais profundo - sempre há mais profundezas - nos deixam embevecidos e surpresos pelo primor das pérolas encontradas.

Eu e você fomos "aprendizes" com (e de) Joanyr de Oliveira. Convivemos ao seu lado por algum tempo. Quantas vezes ele copidescou os nossos textos e nos ensinou a evitar os adjetivos, a estilizar a frase, o período etc., etc. 

Tive a gratíssima honra de prefaciar uma de suas obras - Entre os Vivos e os Mortos - onde revelou também o seu pendor como romancista. Citei-o na minha obra A Transparência da Vida Cristã pelo que representou para o meu aprendizado. 
Sem orgulho (mas orgulhoso) digo: tivemos um excelente mestre! De tempos em tempos, revisito a prosa e os poemas do grande escritor. O seu nome é digno de constar em qualquer galeria dos grandes poetas brasileiros. Joanyr de Oliveira foi o maior intelectual assembleiano. Ninguém ainda o superou.

Além disso, era homem comprometido com os valores do Reino, com as causas justas, com a solidariedade, com a ética, com a pureza da igreja, com a dignidade do pastoreio, com os simples e contra toda sorte de opressão, inclusive religiosa. 

Talvez, por essas razões, o sistema muito tenha lutado para preteri-lo. Mas cumpriu a sua missão sem abrir mão de convicções, que, talvez, 25 anos antes de sua morte, lhe tenham inspirado a escrever este que foi um de seus grandes poemas, "Despedida, talvez", no qual o céu suplanta quaisquer outras perspectivas terrenas, muitas vezes frustrantes e impregnadas de perigosas sombras.

Joanyr de Oliveira termina a primeira estrofe com uma pergunta sobre como os seus poemas seriam vistos no futuro:

"Quem os dirá algum dia
Na placidez destas ruas?"

O tempo é inclemente e insiste em apagar o passado. Mas aqui e ali, "na placidez destas ruas", ainda ouviremos que "Deus espraia o mel da sua voz".

Parabéns, meu confrade, pela justa homenagem ao nosso mestre.



Pastor Geremias Couto
 

PS. Se me permite, gostaria de reproduzir o ensaio no meu blog, com o devido crédito e citada a fonte.

Abraços


(Leia centenas de artigos, matérias polêmicas, comentários e poesias do pastor Geremias Couto no blog Geremias do Couto)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

(Clique na imagem)

(Clique na imagem)

Visitantes recentes

Top 10 Members

.

.